A FORÇA NA ADVERSIDADE

Em meio a adversidades, existe também a possibilidade de uma forma de adaptação seguida por uma incrível força de criação e renovação, faz parte da lei da sobrevivência. Um infortúnio pode não ser necessariamente o fim de tudo como o que a principio parece tão certo, mas sim ser o começo de um novo ciclo.

Quando tudo parece perdido, é justamente aí que pode surgir a força que devasta o desânimo trazendo um novo impulso e uma nova realidade com a possibilidade de um reinício que parece até inacreditável. Mas temos que estar atentos e contribuir para que isto aconteça!





 

A exemplo, podemos relembrar um capítulo trágico nas páginas da história da humanidade, mas que apesar de tudo resultou em sobrevivência e recriação, nos deixando uma magnífica lição. Conhecida como “a praga”, em meados do século XIV a peste negra levou milhares de vidas e em alguns lugares na Europa devastou com metade da população. Este temível e desconhecido inimigo à época, atacava com uma ferocidade terrível qualquer pessoa. Ninguém estava seguro. Diante de tanto horror e sofrimento, pessoas eram assoladas por pensamentos de fúria divina assimilando tudo como um terrível castigo, assim, não compreendiam porque também as pessoas de bem e as crianças eram igualmente afetadas pagando com suas vidas, por isto, o sentimento de culpa era torturante e atacava com força diante de tanta dor e aflição.

No meio deste suplício, onde a morte espreitava tornando-se até algo banal e corriqueiro, havia ainda aqueles que menos afetados pela miséria alheia e desprovidos de compaixão, se aproveitavam dos questionamentos da fé de um povo açoitado pela dor e fragilizado diante da calamidade para tirar-lhes tudo o que podiam em troca de alguma mísera ou falsa esperança. Não é difícil imaginar que em meio ao caos e a culpa muitos enlouqueceram ou se mutilaram em auto punição na tentativa desesperada de expiar seus pecados, esperando que um milagre revertesse a situação para que tudo voltasse a ficar bem. Muitos pereceram, mas muitos também felizmente aguentaram firmemente todo este tormento, e ao resistirem, perceberam o milagre de que mesmo em meio ao caos pode renascer também a esperança, nos deixando assim o exemplo de que de apesar da destruição pode renascer das cinzas do sofrimento a força amparada na coragem daqueles que ousam permanecer, tentar e lutar. E foi assim que, renovados neste incrível sentimento de ânimo renascido da quase total devastação, que um povo ferido, mas unido em sua dor e decidido a sobreviver, se superou, desenvolvendo um incrível poder de criação que marcou toda uma época e a história da humanidade!

Os sobreviventes deste infortúnio não se resignaram a esperar na inércia pela ruína total, munidos de coragem, tiveram que aprender a se mover entre os escombros do horror, do medo e da morte. Reagiram! Se muito foi destruído, a vida que resistiu poderia sim se reunir, fortalecer e se reconstruir. Em meio a esta reconstrução e devido a escassa mão de obra, até mesmo os mais nobres tiveram que participar ativamente com sua força de trabalho, promovendo assim o desenvolvendo de soluções tecnológicas para suprir a carência, e assim teve início um incrível desenvolvimento ativado pela necessidade de um povo que tinha sede de vida, desencadeando o inevitável progresso seguido por uma transformação cultural e psicológica. Um verdadeiro renascimento! Este foi um período de maior importância na Europa, o maior florescimento cultural da história europeia, o qual se denominou renascença.

 

Este passeio pela história nos mostra a extraordinária resistência da humanidade e a energia criativa que sustentou uma sociedade durante anos. Temos aí um bom exemplo do que podemos fazer em meio às nossas tragédias e dificuldades: resistir, aprender, renascer e encontrar um novo caminho.

 

Ainda hoje, temos “pestes” a nos rondar, seja em forma de pensamentos negativos, em momentos de extrema ansiedade, de temor , nas decepções e catástrofes as quais estamos sujeitos. Quantas vezes não nos vemos prontos a desistir diante destas “pragas pessoais” preocupados com nossas finanças, saúde, relacionamentos, filhos e tantas preocupações que parecem nos lançar à beira do abismo? E a beira do abismo só nos resta um passo atrás, o que não significa desistência ou derrota mas sim a sabedoria e a coragem de recomeçar.

Tragédias também acontecem dentro de nós, devastando corações, diminuindo a qualidade de vida, isolando pessoas, dificultando relacionamentos e criando muitas mágoas, levando assim a um total desalento, ao caminho da destruição. Mas é preciso acreditar e buscar dentro de nós a força que nos é inerente desde a criação, buscar o que de melhor temos e juntos presentearmos a humanidade com o maravilhoso exemplo de virtude que surge destes momentos.

 

Quando somos feridos, temos a oportunidade de aprender a vencer, e quando isto acontece adquirimos também uma preciosa ferramenta: a habilidade de ajudar outras pessoas.

 

É preciso acreditar para nos reerguermos acima de nossas desgraças, assim como faz a águia quando sobrevoa as tempestades. Não podemos permanecer como abutres vivendo de migalhas do passado e alimentando a crença de que este não passou e que o futuro será assustador.

Temos que perseverar na vida, parar de sentir pena de nós para podermos fazer o que só nós mesmos é que podemos fazer: sofrer a nossa pressão como quem (re)nasce buscando a vida, e consequentemente a sobrevivência para que daí a vida flua em seu ritmo, ao lado de tantas outras vidas que precisam de nós assim como nós precisamos delas.

 

Não podemos também nos ocultar na inércia permitindo que a corrupção, a ganância e a irresponsabilidade daqueles que deveriam zelar por seus semelhantes, apaguem a chama do entusiasmo e enfraqueça o combate as “pragas” impostas à nossa sociedade, precisamos de mais exemplos de fé, honestidade, força e coragem! Temos que nos fazer fortes, resistir e lutar para que possa renascer a esperança de um mundo melhor e mais digno para as próximas gerações.

 

As vezes não sabemos bem para onde ir, mas uma nova viagem está sempre prestes a se iniciar, só é preciso dar o impulso para um primeiro passo e caminhar na coragem rumo ao futuro, acreditando que viver sempre vale a pena.

 

É preciso fazer da nossa história o exemplo e a oportunidade de uma história ainda mais feliz para outros, e isto sem dúvida é possível, pois juntos nossa força é insuperável!

AUTORIA: SILVANA LANCE ANAYA - Psicanalista e Psicoterapeuta Psicodramatista, Pós-graduada em Teoria Psicanalítica, Pós-graduada em Psicologia, Nutrição e Transtornos Alimentares -MBA em Coaching - Bacharel em Administração de Empresas - Jornalista (Mtb 75200/SP)

*DIREITOS AUTORAIS

 permitida a reprodução do texto ou parte dele desde que citada a autoria