Atendimento individual, casal, família, idoso, adolescente (a partir de 12 anos).

 

 

 

“Não somos apenas o que pensamos ser. Somos mais: somos também o que lembramos e aquilo de que nos esquecemos; somos as palavras que trocamos, os enganos que cometemos, os impulsos a que cedemos sem querer.”

(Sigmund Freud)

O QUE É PSICANÁLISE

"A psicanálise é uma relação de confiança e intimidade para um trabalho de libertação e construção; na sequência do qual, o indivíduo se desembaraça dos medos e prisões que o empecilham e retoma o desenvolvimento do seu projecto pessoal. Pela aliança de propósitos e vontades, como nos sugere a escultura de Rodin, renasce a esperança – rumo ao futuro...” (A.C.Matos)

 

"Estou admirado de que eu mesmo não tenha me lembrado de quão grande auxilio o método psicanalítico pode fornecer a cura de almas..." S. Freud

 

"O conceito de cura dentro do processo psicanalítico veio se modificando e se ampliando de tal modo que hoje não é mais uma terapia indicada para personalidades patológicas ou desajustadas, mas capaz de beneficiar a todos os tipos de pessoas, especialmente as que trabalham em atividades assistenciais, psicológicas e sociais." O. H. Tavares

 

"A depressão, como qualquer outra manifestação neurótica, diminui a sensação de energia e virilidade." S. Freud

 

A Psicanálise foi criada pelo médico neurologista Sigmund Freud (1856/1939).Seu propósito é descobrir, no inconsciente dos seres humanos, suas necessidades, complexos, traumas e tudo que perturbe o equilíbrio emocional como por exemplo: stress, ansiedade, agressividade, timidez, impulsividade, depressão, insegurança, baixa auto-estima, sentimento de culpa, complexos, traumas, fobias, obsessões, transtornos, neuroses, luto, problemas de aprendizagem, recalques, perturbações sexuais e somáticas de origem psíquicas e tudo mais que perturbe o psiquismo, promovendo assim o auto-conhecimento.  

 

Na psicanálise, a fala é o fio condutor de um processo de autoconhecimento. Por meio de diálogos, o psicanalista procura a cura para as enfermidades físicas e mentais do paciente. Através de sessões de análise, o psicanalista conduz o paciente a uma viagem sobre sua própria existência, de forma a fazer com que este aceite suas limitações e potencialidades e consiga, ele próprio, condições de administrar sua vida, consciente de suas singularidades. Seu método de tratamento consiste em: livre associação de idéias, interpretação de sonhos e análise de atos falhos.

 

O psicanalista trabalha considerando a presença e ação do Inconsciente. O atendimento não se dá sobre aquilo que o paciente já sabe, mas sim sobre uma face inconsciente que se esconde na impossibilidade de resolver seus problemas na análise de um discurso livre.

O analista pode ajudar a resgatar, construir valores e a refletir sobre os problemas fazendo com que própria pessoa encontre soluções criativas sem no entanto "aconselhar", pois cada um pode e deve descobrir o que pode ser bom ou ruim pra si mesmo. É uma terapia mais profunda e visa uma transformação global da personalidade do paciente. Se adapta bem a indivíduos curiosos sobre si mesmos, mas não se adapta bem a pacientes que querem respostas imediatas, nem cura instantânea. Psicanalistas puros são raros hoje em dia, pois analistas mais experientes embora conservem sua base, transitam com a tradição de Freud e a dos seus sucessores.

Aspectos como religião, fatores culturais e sociais são respeitados individualmente.

 

PORQUE BUSCAR TERAPIA

Cada qual pode encontrar diversos motivos pra explicar porque procurou fazer terapia mas, de modo geral, quem procura um profissional da área, possui algum sofrimento ou dificuldade da qual não consegue se livrar. Pode também estar na travessia de uma mudança de vida onde uma auxilio profissional pode ajudar a  clarear e amparar.

 

Outros procuram apenas porque desejam se conhecer melhor.

A terapia ajuda a promover transformações que levam a um consistente crescimento pessoal, integrando novos aspectos à personalidade que com freqüência desperta novos potenciais e talentos adormecidos.

 

Atua nos conflitos inconscientes para remoção das defesas psíquicas inibidoras e incapacitantes favorecendo uma melhor integração da personalidade.

 

Sem perceber podemos estar sendo tolhidos em varios setores de nossa vida adulta em virtude do emocional da infância.

 

No entanto, quando alguém procura ajuda, deve estar consciente do que está fazendo e levar o tratamento a sério para que haja resultados satisfatórios. 

O atendimento proporciona "educação emocional", a qual auxilia o indivíduo no desenvolvimento de competências intra e interpessoais, aumentando a autoconfiança e equilíbrio emocional.

 

A terapia muitas vezes é um processo lento e doloroso. É necessário um mergulho profundo no inconsciente, se deparando com as ameaçadoras sombras que bloqueiam o crescimento no processo de individualização, e neste processo, nada se perde, tudo se transforma e pode ser útil , desde que clareado e integrado. Ela auxilia  a todos que visam melhorar o funcionamento mental e conseqüentemente as relações interpessoais (trabalho, família, amigos, relacionamentos, etc) e para quem busca  ampliar a consciência  sobre si, aprender com os sintomas e desenvolver estratégias de ação.

 

Conhecer a si mesmo é uma tarefa muito mais complexa do que se pode imaginar, e, se você tem vontade de descobrir o que está por trás de alguns dos seus traços de comportamento, este é o caminho.

 

Muitas pessoas sentem-se relutantes em experimentar o processo. Não tenha receio em buscar ajuda, o profissional irá analisar sua situação sem fazer julgamentos. Diante de situações diversas, a análise não vai definir entre o certo e o errado, bom ou mau, vai apenas ajudá-lo a analisar todos os aspectos envolvidos, conscientes e inconscientes para que você decida o melhor para você. Descobrir particularidades que estão guardadas dentro de si nem sempre é algo prazeroso e exige determinação e uma boa dose de vontade do paciente.

Fazer terapia é um processo incrível pelo qual toda pessoa deveria passar pelo menos uma vez na vida!   

 

Alguns sinais que podem indicar a necessidade de terapia:

  • Sensação esmagadora e prolongada de desamparo e tristeza.

  • Os problemas não parecem melhorar apesar dos esforços e da ajuda da família e dos amigos.

  • Dificuldade em se concentrar nas atribuições de trabalho ou para realizar outras atividades diárias.

  • Preocupação excessiva, esperar sempre o pior ou estar constantemente no limite.

  • Ações como beber muito álcool, usar drogas ou ser agressivo, causando prejuízo a si mesmo e aos outros.

 

 

DEPRESSÃO EM IDOSOS

Idade avançada não é sinônimo de depressão ou dias cinzentos.  È natural que coisas que antes eram motivo de prazer deem lugar a outras, mas perder o interesse por tudo e não encontrar prazer em nada é um sinal de alerta.  A depressão é um distúrbio do humor onde a parte cognitiva da pessoa fica preservada, mas os afetos ficam rebaixados.

 

Envelhecer é um processo natural, não uma condenação à depressão ou ao isolamento, no entanto,  para alguns é inevitável carregar um sentimento de inutilidade quando se enfrenta  menor capacidade motora para fazer atividades, comprometimento de atividades cerebrais e menor capacidade de independência. Além da perda física, é também comum se deparar com perdas pessoais:  falecimento de amigos, perda da identidade profissional, mudança no papel da família ou afastamento desta e diversas outras situações que contribuem para angústia e sentimento  de vazio e luto. (A convivência com outras pessoas é sempre benéfica para afugentar o amargo sentimento de solidão)

 

O índice de depressão em idosos tem se tornado cada vez mais alto, exatamente pela dificuldade de lidar com essa fase de múltiplas perdas ou desencadeadas por diversos fatores a serem investigados na história de cada um, num critério pessoal e único. A depressão pode ser  mascarada por se misturar a outros males (até pela rejeição do próprio idoso em aceitar que sofre de um distúrbio emocional) e também por efeitos colaterais de algumas medicações que podem  contribuir para a depressão.

 

A maioria melhora quando recebem o tratamento com um antidepressivo, psicoterapia ou uma combinação de ambos.

A psicoterapia se torna uma importante aliada para que estes reencontrem o prazer de viver, proporcionando uma reflexão e compreensão desta fase da vida e consequentemente  minimizando as angústias, melhorando a qualidade de vida, trazendo anos mais agradáveis e gratificantes para o idoso, a família e seus cuidadores. Agende um horário!

TERAPIA DE FAMÍLIA

 

A terapia de família constitui-se num método que trata das relações familiares, não tratando o indivíduo isoladamente, mas sim o grupo familiar como um todo e o vínculo entre seus membros, onde as características dos indivíduos fazem parte de um ciclo de contínuas ações e reações e não provêm apenas de fatos isolados.

O objetivo é tentar modificar o funcionamento da familia e criar um espaço para o diálogo onde cada um dos envolvidos expõe sua visão dos conflitos/problemas buscando restabelecer um convívio possível dentro da particularidade de cada um e da família em questão, prevenindo até mesmo conflitos futuros pela assimilação que cada um vai adquirindo, auxiliando na conquista ou reconquista de relações harmoniosas, respeitosas e saudáveis entre os seus membros.

 

Em momentos de crises ou de acontecimentos que afetem o equilíbrio, a terapia visa atuar como suporte para que a família lide com sentimentos diversos visando a compreensão mútua no entendimento da resposta emocional de cada um diante da situação ou propiciando respaldo e fortalecimento para enfrentar as mudanças de maneira mais saudável.

Ela não substitui a terapia individual que é sempre benéfica para fortalecer o emocional e tornar a pessoa mais sensível a diversas questões que afetam a família, ampliando a visão e o entendimento, colaborando para o bem estar familiar.A terapia é indicada sempre que conflitos na relação estejam prejudicando a harmonia familiar, o que pode, inclusive, estar provocando sintomas em um ou mais membros da família como reflexo da dificuldade enfrentada (rebeldia, alcoolismo,drogas,depressão,etc)

 

“Num grupo familiar disfuncional os modos de interação entre seus membros vão-se cristalizando, quer na forma de distanciamento, ou de excessiva interferência na vida uns dos outros, formando alianças entre alguns membros, deixando outros periféricos, ou transformando outros em bodes expiatórios (geralmente a criança). Sintomas como baixo rendimento na escola, agressividade, depressão são vistos como próprios da pessoa sintomática, e esta é vista como um caso isolado. Nesse pano-de-fundo as famílias enfermas fracassam progressivamente no cumprimento de suas funções familiares essenciais, (Carneiro, T., 1983).”

 

Se a família contribui para a produção dos comportamentos-problema de um membro, ela também pode contribuir para a solução dos mesmos e quanto antes a família procurar ajuda, menor as chances de se instalar situações crônicas e complicadas com distanciamento de seus membros.

 

O tempo de sessão da terapia de família varia de acordo com o número de membros envolvidos (geralmente duração de 1 hora) e a quantidade de sessões não é determinada pois depende da evolução do trabalho.

A abordagem é orientada para a obtenção de resultados num prazo curto e realizada, de preferência, com todo os membros da família.

 

 

PSICANALISTA, PSICÓLOGO ou PSIQUIATRA?

É comum o termo fazer terapia, análise, psicoterapia... psicanalistas, psicólogos, psiquiatras, etc, mas muitos confundem e acabam sem saber direito onde buscar exatamente aquilo procura. Estes profissionais tem a missão de atender aqueles que querem mudanças em um ou mais pontos da sua vida e cada um terá percepção e abordagem terapêutica diferentes para compreender o complexo funcionamento mental do ser humano.

O melhor será aquele trouxer compreensão acerca dos seus pensamentos e emoções angustiantes e aquele com o qual você se sentir bem. O objetivo é entender os sentimentos, compreender as pessoas ao redor e, especialmente, propor outros pontos de vista, como agir de maneira diferente, amenizar as reações e emoções que trazem sofrimento, enfrentar medos, fobias, ansiedade, traumas, culpa, etc e promover amadurecimento e fortalecimento emocional. 

A psicanálise surgiu dos estudos e investigações de Sigmund Freud, médico neurologista vienense do século XIX, e se ocupa da compreensão e análise do homem. Exclusivamente por meio de diálogos, o psicanalista procura a cura para as enfermidades físicas e mentais do paciente. Apesar de estar inserida na psicologia, pois é uma forma de psicoterapia, a psicanálise pode ser entendida como um campo à parte. O psicanalista trabalha para melhorar a relação do ser com o mundo e com os seus questionamentos sem fim e com dificuldades com os universos interior e exterior, auxiliando no autoconhecimento e a habilidade em lidar com problemas do próprio eu, a suportar as responsabilidades e encarar as frustrações da vida.

A psicanálise considera a presença e ação do Inconsciente. Um dos seus fundamentos teóricos é que os seres humanos não têm controle consciente sobre muitas das nossas memórias e pensamentos, e por isso é imperativo a constância de uma  análise rigorosa e completa do inconsciente para solucionar os problemas psicológicos do presente.

A psicanálise investiga a relação entre estes aspectos inconscientes que influenciam nossos relacionamentos e os padrões de pensamento, do comportamento e dos sentimentos. No longo prazo a antevê a possibilidade de um sujeito cada vez mais capaz de assumir sua posição adulta, responsabilizando-se por seu próprio desamparo instituído e por seus atos no mundo.O objetivo é liberar emoções e experiências reprimidas, ou seja, tornar consciente o que é inconsciente. O trabalho psicanalítico clínico é um método profundo de trabalho que visa compreender o "sentido" do nosso inconsciente.

A Psicologia é a área que se ocupa de psicoterapias e psicodiagnósticos. O psicodiagnóstico é elaborado a partir de entrevistas e realização de testes com o paciente e se diferencia do diagnóstico médico por ser uma técnica exclusiva do psicólogo (psiquiatras e psicanalista não podem aplicá-los). Este profissional está habilitado para lidar com problemas de ordem psicológica e comportamental, assim como realizar sessões de psicoterapia, orientação psicológica e psicodiagnóstico (testes) entre outras atividades organizacionais, educacionais e sociais , executando tarefas que vão além do diagnóstico e tratamento individualizado de pacientes. Ao se comprometer com a integridade da psicologia, este profissional necessita excluir o inconsciente ao passo que o psicanalista precisa mantê-lo em questão. Utilizam a psicoterapia como ferramenta de trabalho, um conjunto de técnicas que analisam os problemas emocionais, comportamentais ou transtornos mentais e conduzem o cliente a um processo de conscientização de seu comportamento e sentimentos para lidar com as dificuldades.

 

O psiquiatra é um profissional licenciado em Medicina com especialização em transtornos mentais. Diferentemente da Psicologia e da Psicanálise, um tratamento psiquiátrico pode fazer uso de remédios. É uma parte da medicina que trabalha diretamente com os aspectos fisiológicos das manifestações psíquicas indesejáveis, tendo uma metodologia de tratamento essencialmente medicamentosa embora alguns profissionais também realizem atendimento em psicoterapia.  O encaminhamento para este profissional pode ser dado por um psicólogo ou psicanalista ou médico, que detecta a necessidade do uso de medicamentos para aliviar os sintomas. O Psiquiatra pode sugerir a busca de psicanalista ou psicólogo para tratamento coadjuvante através de psicroterapia.

 

Psicoterapeuta:  O termo vale para o psicanalista, psicólogo e psiquiatra, todos são técnicos especializados e podem tratar pacientes com as mais diversas formas de psicoterapia para tratamentos que envolvem as questões emocionais e/ou comportamentais. 

 

Todas as terapias têm a mesma meta: lidar com a angústia e com o sofrimento, ajudando o paciente a ser mais feliz e a encontrar um sentido para a vida. Mas cada modalidade busca esses objetivos à sua maneira. Todas as linhas são capazes de ajudar um indivíduo a trabalhar com seus problemas. É sempre recomendável buscar um profissional qualificado, dotado de formação e ética, pois a este será confiado coisas íntimas e segredos, além do seu bem-estar emocional. Procure um que se encaixe com o método mais confortável para você, e se não gostar do profissional que conheceu, (até porque quando não há empatia entre o paciente e o analista, o tratamento não evolui) dê mais uma chance, vá a mais uma sessão e, se a falta de “química” persistir, procure outro, mas não desista!

COMO FUNCIONA / DURAÇÃO

O tratamento não tem duração específica, pois cada um tem seu próprio ritmo e tempo de elaboração, o qual deve ser respeitado pelo profissional, normalmente sessões de ate 50 minutos uma por semana ou conforme necessidade, condições  e disponibilidade.

 São encontros nos quais você tem a oportunidade de estar consigo mesmo, falar sobre suas emoções e seus problemas sem julgamento, olhar pra o seu interior, ouvir sua própria voz e buscar suas próprias respostas e seus valores, o que favorece o crescimento pessoal e as relações. Você não estará buscando conselho, mas se conscientizando dos caminhos possíveis para que possa fazer sua escolha.

Quando se tem um padrão de comportamento a ser modificado ou ajustado, isso leva um certo tempo. Apenas "entender" o que precisa ser mudado não basta, é preciso um esforço em conjunto durante um certo tempo o que auxilia na identificação das "ciladas" inerentes ao próprio comportamento humano para que um novo padrão se estabeleça.

Muitos, mesmo tendo sua queixa inicial resolvida, prolongam a terapia pelo bem estar que ela proporciona. Aceite que a terapia não é um milagre, e vai demorar um pouco até que você comece a perceber as mudanças práticas mas, uma vez que isso aconteça, é realmente libertador. O autoconhecimento proporciona entendimento de si mesmo e dos outros além de facilitar escolhas, afinal se você não sabe quem é como vai saber o que é melhor pra você?

Ao longo do caminho são diversas batalhas a serem vencidas.

É preciso reconhecer a necessidade de ajuda profissional.

É preciso persistência, pois desistir no início é muito fácil.

Uma boa dose de paciência é imprescindível, pois os resultados não são imediatos embora possa haver  no início um certo alivio e conforto. 

O tratamento pode até parecer longo para quem anseia resultados imediatos contra a tristeza, o medo, a ansiedade, mas crescer não é um processo mágico.

O medo que o autoconhecimento gera também pode ser impeditivo, pois não é tão simples entrar em contato com partes menos nobres, as quais não se quer encarar. É preciso coragem para enxergar a própria vida, enfrentar os inimigos internos e as dificuldades que não permitem a saída da zona de conforto negativa. É preciso vencer o medo que paralisa e utilizá-lo como combustível. 

A PRIMEIRA SESSÃO É COBRADA?

Sim, pois este primeiro contato já é uma sessão de análise (50 minutos), neste primeiro encontro a pessoa se apresenta, fala sobre sua vida, seus familiares, sua infância, seu momento atual, seus relacionamentos sociais e amorosos e, basicamente, sobre tudo o que vier à sua cabeça. A escolha e confiança no profissional é ponto chave para que a terapia flua positivamente. 

 

O ATENDIMENTO É CARO?

O custo do cuidado é sempre menor do que o custo do reparo.

Mensurar o custo ou a valorização de um trabalho analítico é muito complexo, além do mais, o preço que a pessoa paga por carregar o seu sofrimento certamente é muito maior do que o preço da sessão.

Caro mesmo é perder o equilíbrio das emoções e consequentemente pessoas e outras coisas na vida que são essenciais ao bem estar. Investir na saúde emocional é muito importante afinal, estar bem consigo mesmo significa estar bem com os outros e com o mundo. Escolha um profissional ético que inspire confiança, pois você irá falar sobre assuntos íntimos e sobre coisas que talvez nunca tenha falado com ninguém.

 

 

O QUE É PSICOTERAPIA 

A psicoterapia que não segue necessariamente as regras da análise clássica, ainda assim é analítica. O analista recorre ao trabalho psicoterápico quando julgar adequado, continuando a ser analista, somente dispensando alguns elementos do setting costumeiro.

A partir disto, faz uma interessante colocação: ‘Continuaria pensando na sua língua materna, mas se expressaria, por assim dizer, num dialeto dela’...”(Mezan)

 

Tão importante tanto qualquer forma de medicina, a psicoterapia também visa um profundo bem estar, com uma série de técnicas para tratar da saúde mental e emocional.

As sessões propiciam uma melhor compreensão/visão do que nos deixa ansiosos ou insatisfeitos, e também a aceitar/lapidar/incorporar pontos positivos e negativos.

 

 

A psicoterapia é um recurso que visa auxiliar o individuo em suas dificuldades, sejam elas:

 

- Transtornos psicopatológicos
- Crises pessoais
- Conflitos familiares e conjugais
- Dificuldade na travessia de mudanças
- Crises profissionais
- Outras (depressão, estresse, medos/fobia, luto, transtornos alimentares,

   compulsões, tristeza,  etc)

- Ou simplesmente para crescimento e bem estar através do autoconhecimento

 

TRANSTORNOS ALIMENTARES

A alma sofre e grita silenciosamente, o corpo sente e se expressa na sua linguagem.

 

O que não vira palavra, vira sintoma.

Os transtornos alimentares são patologias com origem multifatorial onde o corpo se torna a expressão sofrida daquilo que não pode ser dito em palavras. Desenvolvem-se a partir de uma combinação de fatores físicos, psicológicos, bioquímicos, genéticos e sociais. Muitas vezes, há desequilíbrios químicos nos neurotransmissores do cérebro que regulam o apetite e o desejo por comida. Devido a sua origem multifatorial, existe a necessidade da interação da abordagem nutricional, psicológica e médica.

Para cada pessoa o problema surge de uma forma. Podemos relevar problemáticas relacionadas à auto-imagem e autoestima. A origem do problema pode estar relacionada a questões emocionais e afetivas onde a comida deixa de ser apenas alimento ligado ao prazer e se torna algo que gera dependência e angustia.

 

A alimentação é um ato extremamente complexo, influenciado por características biológicas, sociais, culturais e emocionais sendo, portanto indispensável considera-los no atendimento que visa compreender e interpretar os transtornos que afetam o comportamento alimentar e a vida nutricional levando em consideração os aspectos psicológicos envolvidos, e na psicanálise com com um olhar também para o inconsciente, buscando externalizar e elaborar os sentimentos envolvidos de forma individualizada. A psicoterapia trabalha não apenas no tratamento destes transtornos, mas também na prevenção deles, por meio do autoconhecimento, da aceitação de si mesmo, da aceitação do tempo necessário para mudanças físicas (por meio da mudança de hábitos cotidianos) e da conscientização sobre modelos ideológicos inalcançáveis, etc.

Conheça alguns dos transtornos alimentares:

ANOREXIA NERVOSA (AN)

Busca intensa pela magreza do corpo, intensa perda de peso através de dietas rígidas e distorção na imagem corporal. Em casos graves a pessoa fica tão magra e  desnutrida que os órgãos param de funcionar, levando à morte.

BULIMIA NERVOSA (BN)

Se caracteriza por episódios de descontrole, onde há uma urgência de comer em grande quantidade seguido por culpa e utilização de métodos compensatórios, como o vômito forçado ou a ingestão de remédios  provocando déficits vitamínicos.

TRANSTORNO DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) 

Episódios de compulsão alimentar nos quais a pessoa ingere grandes quantidades de alimentos, geralmente parando só quando há sensação de desconforto corporal por estar cheio. A maioria é obesa e uma boa parte das pessoas que fazem controle alimentar e de peso com acompanhamento médico sofrem deste transtorno.

TRANSTORNO ALIMENTAR NOTURNO

comportamento alimentar excessivo durante a noite, mesmo em estado de sonambulismo. Além dos prejuízos alimentares, há também uma preocupação com o estado psicológico pois a pessoa começa a sentir que perdeu o controle de si mesmo.

OBESIDADE

caracteriza-se pelo acúmulo de gordura no corpo, que pode ocasionar graves problemas de saúde. Em um número considerável relaciona-se com hábitos sedentários, dieta alimentar inadequada, fatores genéticos e psicológicos, como a baixa auto-estima.

VIGOREXIA

caracterizado pela insatisfação constante com a forma, força e vigor do corpo, levando a prática exaustiva de exercícios físicos, dietas radicais e uso abusivo de esteroides anabolizantes, óleos e outras drogas que trazem sérias consequências à saúde.

ORTOREXIA NERVOSA

Fixação excessiva por saúde alimentar, qualidade dos alimentos ingeridos e pureza da dieta. A pessoa acometida consome exclusivamente alimento que venha de agricultura ecológica, livre de qualquer “alteração”, como componentes transgênicos, artificiais, pesticidas, herbicidas, corantes, açúcar, sal e etc, além da excessiva preocupação com a forma de preparação dos mesmos, podendo levar ao isolamento social e a grandes períodos de jejum quando fora de casa.

TRANSTORNO ALIMENTAR RESTRITIVO EVITATIVO (TARE)

Distúrbio caracterizado por persistentes perturbações alimentares que levam a um aporte nutricional e energético insuficientes. A evitação ou a restrição alimentar em alguns indivíduos podem se basear em características como a qualidade do alimento, sensibilidade extrema a aparência, cor, odor, textura, temperatura ou paladar. Apresenta dificuldades clinicamente significativas com alimentação e comida. Geralmente aparece na infância ou adolescência e leva a incapacidade de alimentação em quantidade adequada de calorias ou nutrientes trazendo prejuízos físicos e emocionais.

TRANSTORNO DE RUMINAÇÃO

remastigação ou regurgitação do alimento de forma repetida. Esta condição é psicológica quando não pode ser explicada por nenhuma condição médica.

O QUE É PSICODRAMA CLÍNICO

              

"Existem palavras sábias, mas a sabedoria não é suficiente, falta ação," J. L.Moreno

 

"Um Encontro de dois: olhos nos olhos, face a face. E quando estiveres perto, arrancar-te-ei os olhos e colocá-los-ei no lugar dos meus; E arrancarei meus olhos para colocá-los no lugar dos teus; Então ver-te-ei com os teus olhos e tu ver-me-ás com os meus." (J.L.Moreno)

 

"...No oceano da vida o ser humano se afoga sem se dar conta de que entre o absoluto da vida e da morte o resto é apenas relativo..." Victor R.C. Dias

ROJAS-BERMUDEZ (12) define o Psicodrama como uma técnica de psicoterapia direta, na qual o processo terapêutico se realiza no "aqui e agora" com todos os elementos emocionais que constituem a situação conflituosa. Do ponto de vista técnico, constitui um processo de ação e interação, sendo seu núcleo a dramatização." (A. Kaufman)

 

Jacob Levy Moreno (1889 -1974) iniciou seus trabalhos com Socionomia, Sociodinâmica, Sociometria e Sociatria, além dos métodos Interpretação de Papéis, Teste Sociométrico, Psicoterapia de Grupo, Sociodrama e por fim PSICODRAMA e Jogos Dramáticos.

 

Desde então, o Psicodrama vem se transformando. A Análise Psicodramática é uma abordagem da Psicologia e Psiquiatria, criada pelo Dr. Victor R. C. Dias que é psiquiatra formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, professor e supervisor em Psicodrama Clínico, fundador e coordenador da Escola Paulista de Psicodrama - EPP, indicada para acessar e tratar as patologias do psiquismo humano, além de viabilizarem muito o trabalho clínico, as técnicas têm usos indicados e efeitos esperados quanto às manifestações e modificações da angústia.

 

Na Análise Psicodramática a dramatização é o instrumento diferencial que permite a entrada no mundo interno (intrapsíquico) de maneira simples e direta, possibilitando à pessoa o resgate de sensações, percepções e pensamentos gerando insights que promovem além do auto-conhecimento, tratamento de diversos conflitos, facilitando assim a busca de soluções e respostas criativas na vida resgatando recursos psicológicos saudáveis.

 

O processo de psicoterapia resulta na Catarse de Integração onde são vencidas barreiras internas e uma nova estruturação de seu próprio conceito de identidade (EU) dentro de um contexto mais saudável e satisfatório da vida nos relacionamentos de cunho amoroso ou afetivo, vida profissional e numa reorganização de seu projeto de vida. É uma terapia menos profunda, seus objetivos são mais focais e visam, por exemplo, uma maior adaptação do indivíduo ao seu meio ou a resolução de algum conflito específico. 

 

 

TERAPIA DE CASAL

 

A terapia de casal não tem como objetivo manter o casal junto a qualquer custo e sim facilitar a comunicação, intermediando o diálogo para que se chegue a um entendimento, seja ele qual for.

 

O objetivo principal é analisar a “relação” e o que de cada uma das partes está influenciando (queixas, conflitos, expectativas, decepções), tentando identificar fatores negativos e positivos, abrindo espaço para uma comunicação mais reflexiva e assertiva, ampliando o diálogo e a visão de mundo de ambos e qual a visão real que cada um tem do outro, visando compreender qual o melhor caminho para a saúde emocional de ambas as partes e principalmente do relacionamento.

 

A terapia de casal não substitui a terapia individual, até porque o que pode estar influenciando negativamente na relação pode estar em situações individuais mal resolvidas que afetam a convivência (e em caso de separação repetidos outros relacionamentos).

 

Se houver recusa de uma das partes, é benéfico que ao menos um procure a terapia individual para estar mais receptível a ouvir e adquirir uma melhor compreensão do que está acontecendo.

 

O trabalho é orientando com regras e boas maneiras durante a sessão  e conduzido para que não se transforme numa conversa do dia a dia ou reprodução das desavenças, atentando para que não se torne invasiva ou desconfortável. É importante que as ambas as partes estejam interessadas para o bom progresso do trabalho e o alinhamento da comunicação.

Quanto antes o casal procurar ajuda, melhor para que a situação não se torne crônica e mais complicada.

 

As sessões de terapia de casal ocorrem semanalmente e têm duração em torno de  50 minutos. Não existe um número de sessões definidas, elas acontecem de acordo com a necessidade de cada casal e a evolução do trabalho.

Agende um horário!

TERAPIA PARA ADOLESCENTES
A QUEM SE DESTINA

 

A adolescência é caracterizada por mudanças biológicas, psicológicas e sociais, onde ocorre uma grande fase de transição e mudança no ser humano. Quase tudo se renova e se transforma (corpos, gestos, pensamentos, emoções, desejos, direitos e responsabilidades).

A infância dá lugar a uma nova identidade, marcada por novas experiências e experimentações, questionamentos, sonhos, ousadias, vitórias internas e externas, que podem determinar a nova maneira de se apresentar e de estar no mundo onde  o adolescente tem que  aprender a lidar com um corpo e uma personalidade em permanente e rápida mudança existindo aí  inúmeras situações de tensão e conflito psíquico.  

 

Nesta fase ocorre o estabelecimento de novos relacionamentos fora do ambiente familiar, marcada pela expressão da individualidade (amigos, namoros, alianças ou grupos que possibilitem compartilhar a forma de ver o mundo, normalmente distinta da forma que os pais o veem), também se consolidam as crenças sobre si, capacidade ou impotência, alta ou baixa auto-estima. É um período de experimentações em que se constroem identificações e também se agregam características à personalidade que adquirirá caráter mais estável e duradouro.

Uma boa parte dos  adolescentes são encaminhados para terapia pela escola, com queixa de inadaptação ou rebeldia.

 

Excessiva exposição ao risco, impulsividade, experimentações,  comportamentos transgressores, comportamentos aparentemente patológicos e abuso de drogas são situações que fazem os pais pensar sobre como lidar com elas sem interferir no bom desenvolvimento do adolescente. Cabe à família a modulação das atitudes do adolescente que têm um limite entre o saudável e o patológico. Nesse período, a orientação profissional ajudará no desenvolvimento psicológico e social do adolescente onde costumam ser abordados  temas como: relacionamentos, conflitos, autoconhecimento, medos, inseguranças, conflitos entre gerações, escolhas profissionais, ansiedade, sexualidade, timidez, agressividade.

 

Como as estruturas de personalidade ainda não estão completamente sedimentadas a psicoterapia facilita o processo de revisão em que se encontra o adolescente favorecendo a criação de novas alternativas.

A relação estabelecida com o psicoterapeuta  é embasada na autenticidade, no respeito e no sigilo. Não se busca enquadrar o adolescente em um padrão pré-existente, mas acolher suas características e trabalhar suas dificuldades e potencialidades. A proposta é oferecer um espaço neutro onde eles possam se sentir livre para falar de suas angústias, anseios, desejos, medos, idéias e dúvidas, buscando informações sobre questões que normalmente surgem nessa fase.

 

O atendimento  irá gerar grandes repercussões na definição do futuro ( nesta época são tomadas as decisões básicas da vida: escolha da profissão, escolha do parceiro, viagens,etc) facilitando o processo de desenvolvimento e utilização do potencial,  propociando amadurecimento e desenvolvimento pessoal, afinal, decisões acertadas nesta fase irão influenciar uma vida inteira! Agende um horário!

Descontos no pacote mensal para adolescentes (12 a 21 anos)

                                      

 

Se destina a qualquer pessoa (qualquer idade)  que quer conhecer-se melhor, está passando por momentos de crise como luto, separação conjugal, entre outros; que se sente insatisfeito ou em dúvida com relação a qualquer aspectos de sua vida (profissão, relacionamentos, etc.) ou têm algum transtorno como: depressão, ansiedade, síndrome do pânico, distúrbios alimentares e outros. É um processo focado em ajudar o indivíduo, casal ou família a resolver questões emocionais.

 

 

" É TRISTE OBSERVAR QUE POR MUITAS PESSOAS CARREGAM

CONFLITOS POR ANOS A FIO, MAS PELO MEDO DE QUE 

ALGUÉM AS JULGUEM LOUCAS, NEURÓTICAS OU  

DESCONTROLADAS, DEIXAM DE PROCURAR AJUDA." 

 (Silvana Lance Anaya)

 

 

NINGUÉM FAZ TERAPIA PORQUE É LOUCO,

MAS SIM PORQUE NINGUÉM É DE FERRO.

 

Atendimento particular com hora marcada

 

individual, casal, família, adolescente (a partir de 12 anos), idosos.

 

Acompanhe as redes sociais

  • Facebook Social Icon
  • Instagram
  • YouTube Social  Icon
  • Twitter Social Icon